Seguidores

terça-feira, agosto 25, 2009

CORAÇÃO FAZ COMPLÔ


CORAÇÃO FAZ COMPLÔ
De: Ysolda Cabral


Você fica atrapalhado e confuso,
Com os meus pensamentos.
Só não quero que entre em “parafuso”,
Quando falo dos meus sentimentos.

Posso divagar no primeiro,
Mudando a cada segundo.
Contudo naquilo que sinto,
É impossível, asseguro.

Confesso que já tentei,
E em todas as tentativas falhei.
Fico a conjecturar a razão...

E, escuto o meu coração,
Em complô com minha alma,
Morrendo de dar risada.


Publicado no Recanto das Letras em 25/08/2009
Código do texto: T1774658


**********

O livro " Apenas Poesia" à disposição no site da
Editora LivroRápido, ou através do meu e-mail
ysoldacabral@hotmail.com

segunda-feira, agosto 24, 2009

TEMPO DE CONQUISTAR



TEMPO DE CONQUISTAR
De: Ysolda Cabral


Eu e o Tempo, finalmente,
Estamos em pé de igualdade.
Exatamente iguais;
Só um pouco impacientes...

Senão, vejamos:
Ele não quer passar;
E eu fico a sonhar,
Sem conseguir dormir,
Não faço nada,
Nem saio do lugar...

Eu choro calmamente;
Ele chove suavemente.
Eu sorrio escancarado,
Ele se abre envolvente.

Eu digo para ele parar,
De me arremedar!!!
Nem somos mais crianças,
Para brincar de irritar!!!

Ele me olha sorrindo,
Faz-me um breve carinho,
E eu me deixo conquistar.

**********
Publicado no Recanto das Letras em 24/08/2009
Código do texto: T1772073
**********

O livro " Apenas Poesia" à disposição no site da
Editora LivroRápido, ou através do meu e-mail
ysoldacabral@hotmail.com

sábado, agosto 22, 2009

AMOR INSENSATO




AMOR INSENSATO
De: Ysolda Cabral



Os propósitos ficam a postos,
Enfileirados na minha frente.
O primeiro da fila é não pensar,
O segundo é esquecer,
E no terceiro me vejo morrer...

Ah! O que fazer?

Falo mal, ignoro, digo do amor
Que não sinto, sentindo...

Então fecho os olhos do sentido,
E, vejo você sorrindo...

Arrefeço... Choro... Encaro-me...
E digo: deixa estar...
Essa saudade vai passar!

Que insensatez!

**********

Amanhã " Festa do Livro"

Praça do Arsenal - Das 10 as 22h

**********

SÓ...RINDO!



SÓ... RINDO!
De: Ysolda Cabral


O sábado amanheceu quieto,
Com os raios de Sol brilhando forte.

Curiosamente não faz calor,
O dia está um verdadeiro esplendor!

Convidativo e muito cativante,
Daqui do meu “santuário,”
Escuto o cântico dos pássaros...

- Lindo!

O coração querendo ir avante,
Arrebentando de tanta saudade,
Ressoa em acústico,
Inexplicavelmente enviesado...

- Vindo!

Na mente uma decisão;
Ainda embrionária,
Fecundada sem precipitação.
Se, tomada, será extraordinária...

- Só... Rindo!

Refere-se a ele, o meu coração,
Que precisa sair do compasso,
Do “Tambor do Encantado”,
Para bater compassado,
E sem nenhuma ilusão.

- Findo.

**********

Publicado no Recanto das Letras em 22/08/2009
Código do texto: T1767676

sexta-feira, agosto 21, 2009

MUNDO FANTASIA



MUNDO FANTASIA
De: Ysolda Cabral


Estou com a mente atordoada
Com a alma magoada
O coração descompassado
E em total desarmonia

O sonho ainda persiste
Por pura teimosia
Contudo a lucidez escoa
Em grande agonia

Porque a tristeza me assola
Em pleno meio dia?
Quem me valia?

A culpa é só minha
Fui inventar um mundo
Que só em mim existia!




**********

O meu livro - Apenas Poesia -
estará no 7º Festival Recifense de Literatura
- Festa do Livro - Próximo domingo
dia 23/08/2009 - Local : Praça do Arsenal
das 10 as 22 h


***********

Publicado no Recanto das Letras
em 21/08/2009
Código do texto: T1767044

quinta-feira, agosto 20, 2009

CALMA



CALMA
De: Ysolda Cabral


Calma... É preciso calma...
Há alguma coisa no ar.
Sei que há!

Há um frio de morte,
Congelando e quebrando os ossos ,
Nos impedindo de sonhar.

Há uma revolta contida,
Há uma dignidade atingida,
Há uma plenitude de vida,
Com esperança perdida...

Há uma lágrima teimando em cair,
Há um sorriso triste e fingido,
Há um desejo sofrido, contido,
E o controle se esvaindo...

Há uma gota de orvalho,
Explodindo...
Há um carrasco,
Punindo...
Há uma ferida,
Se abrindo...

A paciência...
Esgota-se,
É a chegada da hora,
Ficando abençoada...

E enfim...
Tudo acaba.

**********

Publicado no Recanto das Letras em 20/08/2009
Código do texto: T1765267


quarta-feira, agosto 19, 2009

segunda-feira, agosto 17, 2009

ME QUEIRA BEM




ME QUEIRA BEM
DE: Ysolda Cabral


Se não sentir tristeza,
Como sentirei alegria?
E se não é pra sentir saudade,
Então nada existe de verdade.

Gosto do Sol...
Da nota musical também,
Só não gosto de quem,
Faz de conta que me quer bem...
.
**********

DEVANEIO



DEVANEIO
De: Ysolda Cabral


Frustro
É Justo

Recuso
E Luto

Rotulo
E comungo

Enluto
Não Mudo

Tensão
Na consideração

Encanto
Só sonho

Engano
Na solidão

No fundo
Sou vida

Num mundo de ilusão
.
**********

domingo, agosto 16, 2009

C O N V I T E





CONVITE

O livro "Apenas Poesia" estará no 7 º Festival Recifense de Literatura - Festa do Livro - no Recife Antigo, próximo dia 23/08/2009.

Contamos com sua presença!

**********

Livro "Apenas Poesia" à disposição no site da Editora Livro Rápido.Endereço abaixo indicado:

http://loja.tray.com.br/loja/produto.php?loja=32653&IdProd=70170

http://www.livrorapido.com/

sábado, agosto 15, 2009

SONHANDO COM VOCÊ


SONHANDO COM VOCÊ
De: Ysolda Cabral


Hoje resolvi ser irresponsável
E joguei tudo para o alto
Tive vontade de ir até o mar
Ou sair pra passear

E na indecisão
Resolvi ir me deitar
E deitada então fiquei
Com o pensamento a vagar

De repente fiquei sem saber
Onde mesmo que eu estava

E uma vez que não sabia
Resolvi então ficar
Até por que nada custava

Foi quando senti você
Em mim agarradinho
Dizendo bem baixinho:
"Amo você e preciso de carinho."

**********

O livro " Apenas Poesia" à disposição no site da Editora Livro Rápido
ou através do e-mail: ysoldacabral@hotmail.com

quinta-feira, agosto 13, 2009

NO ESCURO DO NADA




NO ESCURO DO NADA
De: Ysolda Cabral


Mãos aquecidas
Sobre os olhos fechados
Corpo parado e relaxado
Nada existe
O tempo pára
Os sentimentos não existem
E a certeza de ser tarde
É palpável.

terça-feira, agosto 11, 2009

DO MEU "SIDARTA"




Recebi a poesia, abaixo, do querido amigo Cyla Dalma, o meu " Sidarta". Resolvi dividir este presente com vocês.

QUEM SOU
De: Cyla Dalma


Não sei como,
Acordei...

Ao meu redor,
Um mundo surgiu.

Tomei consciência
E me vi lá do alto
E eu era uma criança

Logo a seguir,
Em um passe de mágica,
Incorporei-me a mim mesmo.

Vivi...
Andei...

Hoje...
Eu ainda me procuro

De onde venho?
Por que andei por esses caminhos?
E ainda o que virá?

E depois...
Apagarei?

**********

Ysolda Cabral
Publicado no Recanto das Letras em 11/08/2009
Código do texto: T1748563

CONCURSOS PÚBLICOS



CONCURSOS PÚBLICOS
De: Ysolda Cabral


Agora é todo mundo ligado em concurso. É concurso pra tudo que é lado. E, em relação ao número de inscritos, são poucos os que conseguem passar. Quando isso ocorre, ficam na dependência de serem chamados. O que poderá acontecer ou não. Os santos nunca receberam tantos pedidos, promessas... As “orações” circulam, inclusive, em “correntes” pela Internet.

Acabo de receber uma dessas e fiquei a conjecturar se foi isso que faltou para que hoje eu recebesse um salário “legalzão” da Polícia Federal... Bem, o que aconteceu foi o seguinte:

Nos anos oitenta, no auge de minha juventude, resolvi fazer um concurso para Polícia Federal. Estava afiadíssima para a prova escrita, entretanto, os testes físicos me preocupavam um pouco.

Apesar de ter um pai atleta e em casa ter tido sempre uma verdadeira academia de ginástica com halteres de vários pesos, pranchas, bicicletas, entre outros; eu só gostava de nadar e andar de bicicleta na chuva.

Então, uma prima minha, conversou com um amigo do esposo dela e este conseguiu colocar a Academia de Ginástica da Polícia Civil de Pernambuco e um instrutor, exclusivo, à minha disposição para que eu me preparasse para a respectiva prova. É pouca coisa não! (Rsrs). Pois muito bem, por uns dois meses, ele deu tudo dele. Quanto a mim...

Alguns dias antes da prova comprei uma malha moderníssima, soquetes, tornozeleira e até uma faixa atoalhada, cuja utilidade era evitar que o suor caísse nos olhos. Mas não foi por essa razão que a comprei. Eu achava que com ela eu ficaria mais bonita, mais charmosa...

Finalmente chegou o grande dia. Fui para o Estádio de Futebol, aonde se realizaria o respectivo teste físico, acompanhada de meu irmão, do instrutor, me achando uma atleta de olimpíada. - Minha malha? Vermelha e branca, claro!

Alongamos, respiramos e ao som do primeiro apito nos posicionamos pra corrida - duas voltas ao redor do campo - disparei e pensei: vai ser moleza!!

E, antes de terminar a primeira volta, vi meu irmão e o meu instrutor correndo ao meu encontro e depois não vi mais nada... Contaram-me que saí de lá de ambulância, passei dois dias no hospital e outros tantos em casa sem conseguir, sequer, me mexer.

Será que foi por que me esqueci de rezar? (Rsrs)


Publicado no Recanto das Letras em 11/08/2009
Código do texto: T1748317
**********

domingo, agosto 09, 2009

DIA DOS PAIS



SONETO EM HOMENAGEM AO DIA DOS PAIS


No dia dos pais, uma homenagem ao meu - Alírio - com um soneto do pai dele. Meu avô, meu ídolo, meu amigo, meu fã, meu admirador mais fiel.
- Como ele estaria feliz com a publicação do meu livro!

Infelizmente, já não está entre nós.
Se foi em 25 de setembro de 1976, aos 76 anos.

Obs.: A escolha do soneto, me ative ao gosto de papai.

**********

MEU EPITÁFIO
DE: FIRMINO FILHO


Aqui descansa deste mundo ingrato
um poeta qualquer, um vagabundo...
que aos outros tinha ódio profundo,
embora fosse um eterno caricato.

Mas afinal morreu; morreu de fato.
Foi desgraçado, miserável, imundo;
do vicio torpe e vil foi oriundo,
e por aqui começa o seu retrato:

Não teve luz na vida e nenhum brilho;
entre canalhas foi também canalha
e enganou a gregos e troianos;

Nasceu, viveu, morreu fazendo planos...
e através ás cinzas da mortalha
ainda pensa ser – FIRMINO FILHO -.

*********

Observo que, ele não era nada disso! Era pura poesia, sentimento e a humildade personificada. Não tinha nem coragem de repreender um filho “cara-a-cara”! Só fez isso por mim uma vez, quando mamãe lhe contou que papai havia me dado umas palmadas. - Ele repreendia os filhos por carta!!

- Seu vício: fumar debaixo do cobertor. (Rsrs)

Então é isso: a todos os pais, um dia feliz!
**********

Ysolda Cabral
Publicado no Recanto das Letras em 09/08/2009
Código do texto: T1744764

**********

sábado, agosto 08, 2009

AMO VOCÊ


AMO VOCÊ
De: Ysolda Cabral


Continuar...
Recomeçar...

Não é mais cedo!
Nem há seda pra tecer,
Vestir, tirar ou rasgar.

O privilégio é louco,
Só existe se sonhar.

Mesmo no presente,
Estou ausente...
Vê se me entende.

O pensamento é livre,
Em todas as mentes
Nela eu amo você
Tão somente...

Mas...
Afinal, quem é você
Que não me sente?

**********


Publicado no Recanto das Letras em 08/08/2009
Código do texto: T1742977

sexta-feira, agosto 07, 2009

REFLEXÃO



REFLEXÃO
De: Ysolda Cabral


Ontem o Tempo esteve fechado,
Pesado e em prantos desabou...

Hoje o Tempo está bonito,
Sol forte, quente e convidativo...

Fico a refletir qual a condição pior
Para quem se sente esquecido e só...


**********
Publicado no Recanto das Letras em 07/08/2009
Código do texto: T1741556

**********

O meu livro ''Apenas Poesia'' já encontra-se à disposição no site da Editora Livro Rápido ou através do meu contato aqui no Recanto das Letras.


terça-feira, agosto 04, 2009

ESTOU ILHADA


ESTOU ILHADA
De: Ysolda Cabral


Por onde caminhar
Sem deixar marcas no caminho?

Por onde seguir,
Se todos os caminhos são de pedra e espinho?

Ah! Essa minha imaginação inconseqüente...
Não sou previdente!

O que fazer com minha poesia,
Uma vez que ela se desgarrou de mim,
Para morrer pela aí?

Sem mágoa... Estou ilhada.
A indiferença me assalta!

Preciso ficar curada... De mim.


**********

Publicado no Recanto das Letras em 04/08/2009
Código do texto: T1737085

segunda-feira, agosto 03, 2009

ODEIO O PUETALÓIDE



ODEIO O PUETALÓIDE
De: Ysolda Cabral




Sonetos sempre me encantaram de uma maneira extraordinária. Entretanto, nunca me atrevi a arriscar uma composição dessa envergadura. Considero o soneto uma das mais difíceis modalidades da poesia. Entretanto, de um tempo pra cá, tenho arriscado qualquer coisa nesse sentido, porém na classificação, por ocasião de sua publicação, acho mais prudente optar por poesia/pensamento.

Meu avô era um “mestre” nos sonetos e em quase tudo que se propunha a fazer. Conseguia até fumar debaixo do cobertor! Mamãe dizia “Seu Firmino, o senhor vai terminar morrendo queimado e ele no embalo da rima, respondia:” Ô Dilça, assim mato dois coelhos de uma cajadada só. Morro e não sou enterrado; viro cinzas de fato, e, você há de convir que é melhor do quê morrer de uma morte qualquer e ser enterrado. - Com vovô ninguém podia!

No Recanto das Letras tem gente muito boa nessa modalidade da poesia. Um em especial sempre me chamou a atenção: o Puetalóide, uma vez que ele consegue compor obedecendo rigorosamente todas as regras, porém compondo com uma beleza magnífica independente do tema escolhido. E para quem não sabe, no soneto, obedecer às regras é a coisa mais importante.

No seu último soneto, intitulado “Sonetinho”, publicado em 01/08/2009, fiz uma brincadeira em forma de "poesia/pensamento", como uma espécie de consolação à desilusão ali contida e não é que o maluco publicou! – Vide abaixo.

- Ah! Meu amigo, odeio você!

Ao poeta, a minha mais profunda gratidão, o parabenizando pela genialidade e generosidade em dividir sua obra de arte com meu mero e insignificante artesanato.

E, como o maravilhoso e também competente poeta Jacó Filho diz: “ que Deus nos abençoe e nos ilumine... Sempre...”


Publicado no Recanto das Letras em 03/08/2009
Código do texto: T1735199

**********

PUETALÓIDE & YSOLDA CABRAL


AFERIÇÃO POÉTICA - III
Puetalóide & Ysolda Cabral



SONETINHO


Eis tudo o q'eu tenho pra oferecer
- Versos de amor...! E mais nada -
É tudo o que eu colhi pela estrada,
E agora faço-os oferecidos a você.

Quase tudo, do amor, eu sei dizer.
- O amor em mim... Fez morada -
Fez-se versos, e pelas madrugadas
Eu farei bem mais pra ti convencer.

E como que se ainda não bastasse
Os versos que acaso não gostasse,
Eu vos faria de novo... E em festa.

E para que nunca, jamais, faltasse.
Ou você, contente, os declamasse,
Dou a minha garantia... Sou poeta.

Puetalóide

**********

POEMA ENALTECIDO


Ela não se convence do teu amor?
Então desista dessa medusa.
E trata de encontrar outra musa
Que retribua essa paixão com ardor.

Se de quase tudo do amor entendes.
Se ele - O amor - em ti fez morada.
E teu canto é inspirado nas madrugadas,
Esquece dessa mulher desalmada.

Pra quê outros versos, festas e serenatas.
Declarações de amor, flores perfumadas.
Se ela não acredita no amor oferecido?

Presta atenção, Meu nobre amigo...!!!
Compõe outro soneto ainda mais bonito,
E por nós, pobres mortais, será enaltecido.

Ysolda Cabral
**********

Publicado no Recanto das Letras em 01/08/2009
Código do texto: T1731222 - Pág. do Puetalóide

domingo, agosto 02, 2009

ACABAS COM ELA


ACABAS COM ELA
De: Ysolda Cabral


Tristeza profunda e infinita te maltrata,
Até te ver quebrada, jogada, acabada,
Dilacerada de dor e em ti enclausurada.

Tristeza profunda se junta com toda dor,
A dor da saudade, a dor da inutilidade,
A dor de tudo que já passou e não vingou...
Só pra te deixar aniquilada e pela metade.

E, não contente, te joga na cama,
Com gripe, com febre, com dores nas costas.
E tu deixando, te entregando, te acabando...
E ela – a tristeza profunda – adorando.

É uma verdadeira desgraça!
Lutas com unhas e dentes contra ela;
Recorres a todos os santos e cantos;
Rezas, pelo menos, um “Pai-Nosso”...
E ela te matando.

Mas não faz mal não! Deixa estar...
Aguardas um pouco e quando ela se descuidar,
Toma fôlego e de um só pulo, vai com tudo
E acabas com ela! Eu te ajudo.

**********
Publicado no Recanto das Letras em 02/08/2009
Código do texto: T1733394

**********

O livro " Apenas Poesia" encontra-se à disposição no site da Editora Livro Rápido ou através do e-mail: ysoldacabral@hotmail.com

JOGO DA VIDA



JOGO DA VIDA
De: Ysolda Cabral


Ponto de partida...
Deu-se início a vida.

Ponto do doce...
Ainda na “panela”,
Queimadura ocorre.
Fique bem esperta!

Ponto de cruz,
Não coloque fenda e nem capuz,
Pois o bordado pode sair errado.

Ponto de luz...
Feche os olhos e se entregue.
Só Ele conduz.

Ponto final...
Não tema é verdadeiro e natural.
Num dia de domingo,
Nossa! Seria bem legal.

**********

Publicado no Recanto das Letras em 02/08/2009
Código do texto: T1732657

**********

O livro " Apenas Poesia" já está à disposição no site da Editora Livro Rápido


ou através do e-mail ysoldacabral@hotmail.com