Seguidores

terça-feira, novembro 17, 2009

QUASE MEIA NOITE

QUASE MEIA NOITE
De: Ysolda Cabral


Com os cinco sentidos,
Distorcidos pelo cansaço,
Não tenho TATO!

Meto os pés pelas mãos,
E nada de bom eu faço.
Só estrago!

A VISÃO turva pelas lágrimas,
Lavam o meu rosto,
Salgam o PALADAR,
Queimam a minha boca.
Que transtorno!

A AUDIÇÃO percebe a música do vento,
Realçada pelo silêncio de quase meia noite,
E eu me envolvo...

O OLFATO capta o perfume suave,
Armazenado na “garrafa” da memória,
- cujo nome é Saudade -
É que me faz voltar no tempo...
E eu me acalmo.
*********

Publicado no Recanto das Letras em 18/11/2009
Código do texto: T1929782

Nenhum comentário: