Seguidores

sábado, agosto 16, 2008

SAIBA QUE



SAIBA QUE

De: Ysolda Cabral


No transporte poesia

Viajava sem objetivo

Com coragem e sem destino

Entregue simplesmente a sorte

Mundos excêntricos e apáticos

De beleza estranha e indefinida

Por mim passavam

E não me diziam nada

Sem energias claras

E revestidos de especial ímã

Prendiam-me pelos sentidos

Com inteligência única

Deixando-me totalmente nua

Ah! Apenas queria viajar

Sem nenhuma agonia

Pois "ser uma estrela cadente

Cheia de luz

A respingar amor

Na escuridão do nada"

De que me serviria?

Viajar por amor

Em caminhos desconhecidos

Sinuosos e difíceis de enxergar

É um desafio que só faz crescer

E, independente de onde nos levar

Podemos até chorar

Mas nunca nos arrepender...

2 comentários:

Livinha disse...

Perfeito minha querida.
És uma estrela, compondo a viagem poesia, pois que arrasta com tua maravilhosa sensibilidade as descobertas infindas desta vida e te sensibilizas perante o olhar de tua alma diante de tão precisas assimilações....
Maravilhoso!
Fica bem.
Beijos

Anônimo disse...

Não nunca o que ha de se arrenpender e sim se nao o fizer.!!!
Se quer parar por parar, nao vale a pena. Se quer continuar por continuar. Só voce pode responder e , só por voce! E mais ninguem. Nunca desista e nem deixe niguem fazer por voce. Somos únicos e sozinhos . Precisamos achar cada um o seu. O caminho é nosso , de cada um. E ninguem deve deixar interferir.Ninguem! Afinal quem poderia e consegueria ser Ysolda, ???!!!! NINGUEM!!!
Existem muitas estrelas no Céu , mas nenhuma ocupa o espaço de outra!
Cada um tem uma forma de ser feliz
"navegar é preciso"

Inara