Seguidores

quarta-feira, outubro 08, 2008

A MORTE DO ORVALHO



A MORTE DO ORVALHO
De: Ysolda Cabral



Ajude-me, pediu.
Sem relutar, tentei!
Chorei, sofri, quase morri
E nada resolvi.

Sou uma planta... Não santa!
Sou pele curtida
Pelo sol do tempo
E pela solidão do abandono
De um terrível lamento.

Como orvalho no ar,
Sem pétala para me segurar,
Deixo de enfeitar e brilhar.
Termino por MORRER
Num asfalto quente.

Vezes há que me sinto brisa
Como aquela que vem do mar.
E, em dias de muito vento,
Simplesmente não existo
E me contento.

Há escolhas que machucam o coração da gente.
Outras aliviam e logo a gente sente.
Melhor seria não precisar fazê-las
Mesmo que para isso,
Nunca tivéssemos que vivê-las

**********
PS. Minha página no Recanto das Letras
http://recantodasletras.uol.com.br/autor.php?id=39114

3 comentários:

Anônimo disse...

Magnifica!
Parabéns mulher bela.

Guiga

atitudes valem mais que palavras disse...

MINHA LINDA E AMIGA POETISA DO SECULO
PARABENS... PARABENS...
AMO TODAS AS SUAS POESIAS E VOCE...
BJUS

Lilinda Gonçalves disse...

Ah, amiga, se a gente não precisasse fazer certas escolhas seria bom.Mas, não teríamos o aprendizado da vida. Precisamos enfrentar, dói, mas passa!
Um grande beijo!
E volte logo, estou com saudades!