Seguidores

domingo, novembro 30, 2008

EU E O VENTO




EU E O VENTO
De: Ysolda Cabral


Alguém pode me ajudar?
Alguém pode me escutar?
Alguém pode me dizer o que há?

Há no ar algo de misterioso e sério.
Não é tempo de brincar,
Nem muito menos arriscar.

- Psiu! Silêncio!

O dia passou indolente,
A noite chegou indiferente,
Não há estrela e nem luar.
E, o vento sempre num lamento,
Querendo uma história me contar.

Não quero saber e ele insiste,
Persiste e não desiste.
Como se dissesse:
Ah, você vai me escutar!

E começa a sussurrar,
Que está cansado de ventar
Ao ermo e sem direção.
Por vezes causando estragos,
Por vezes não.

Pergunta-me de onde vem,
Para onde vai,
E se for para voltar,
Qual seria seu lugar?

Sentindo sua solidão e seu desespero,
Resolvo lhe ajudar:
Abro mais minha janela,
E o convido a entrar.

Sensibilizado e surpreso,
Não se faz de rogado e resolve aceitar.
E, em agradecimento ao meu aconchego,
Ele me traz de presente o cheiro do mar.
**********
Publicada também no Recanto das Letras

Nenhum comentário: