Seguidores

quarta-feira, dezembro 03, 2008

BATOM CARMIM



BATOM CARMIM
De: Ysolda Cabral


Sou mesmo alienada,
Não sei mesmo é de nada,
Nem sei quem sou.
Mesmo assim aqui estou!

Sou da Terra,
Ou extraterrestre comigo em guerra?
De qualquer forma,
Sou mesmo um nó...

Ato e desato.
Coisa difícil,
Eis que sou pó!

Não de estrela,
Realçado por batom carmim,
Blush e sombra verde reluzente...

Sou mesmo é pó de serra,
Que tem cheiro bom!
E, se misturado com água,
Viro estátua com alma.

Se o vento soprar,
Espalho-me a lhe procurar.
E, quando encontrar,
Grudarei em você,
Para nunca mais largar
**********
Publicado no Recanto das Letras em 03/12/2008Código do texto: T1316832

Um comentário:

elizangela disse...

belissimo poema meu anjo,as palavras parecem q soa como o vento,que nos sopra suavimente feito pluma a dançar pelo tempo...

bjs pra tu..ELI